Setor Privado 2014/2015: SEPRORGS rejeita contraproposta dos trabalhadores

21 1241
image_pdfimage_print

 

É preciso mobilização, colegas da TI!

A oitava rodada de negociação da Campanha Salarial 2014/2015 dos trabalhadores do setor privado de TI foi mais uma vez um sonoro “não” para tudo o que reivindicamos. Não sabemos exatamente o que o SEPRORGS quer com essa postura de profundo desrespeito para com a nossa categoria – se é enrolar e tentar ganhar no cansaço, empurrando a situação “com a barriga”, ou se é desleixo e falta de interesse com a campanha salarial dos trabalhadores.

Mas sabemos de uma coisa, que é certa: a entidade dos empresários não está nenhum pouco interessada em resolver com rapidez a situação. O que o SEPRORGS quer é impor, de toda a forma, reajustes APENAS pelo INPC do período (6,34%), o que não é justo para os trabalhadores.

 

CLIQUE AQUI para ver a ata

 

A reunião de negociação aconteceu na tarde dessa segunda-feira (4/05), na sede do SEPRORGS, em Porto Alegre. Um dos negociadores do SEPRORGS iniciou o encontro afirmando que estava se retirando das negociações. O motivo alegado por ele: que a contraproposta apresentada pelo Sindppd/RS, que havia sido aprovada na assembleia dos trabalhadores, inviabilizou as negociações. Tudo isso, porque na proposta está a reivindicação de aumento real de 1% além do INPC, que o SEPRORGS não quer dar aos trabalhadores da TI, além dos outros itens que constam no documento.

Assume as negociações um consultor contratado especificamente para negociar na campanha salarial, o qual apenas ofereceu o INPC a todos os itens (salários e benefícios). Ou seja, em tempos de debate sobre a terceirização total nas empresas parece que o SEPRORGS já se antecipou e terceirizou o negociador da campanha salarial. Se o PL 4330 das terceirizações for realmente aprovado pelo Congresso, imagina o que os empresários farão no setor da TI?

Sobre as outras reivindicações da categoria, entre elas a redução da jornada de trabalho para 40h semanais, os negociadores do SEPRORGS não quiseram sequer debater. Os representantes da entidade patronal ainda ameaçaram com demissões por conta da situação econômica do país e trouxeram outras pautas da entidade para a mesa, como a implementação do home-office e da regionalização do auxílio-alimentação (lembramos que o valor do auxílio hoje é calculado tendo como base os gastos em alimentação em Porto Alegre e região metropolitana).

 

 

A partir dessa quarta-feira (6/05), é mobilização nas empresas de TI!

Colegas, conforme calendário aprovado em assembleia, a partir dessa quarta-feira (6/05) os trabalhadores entram em greve por tempo indeterminado.

 

VEJA AQUI  o edital publicado no jornal Correio do Povo

 

Isso significa que os trabalhadores estão resguardados, pela Lei de Greve, a fazer qualquer mobilização ou paralisação em seus locais de trabalho.

A situação vivida hoje pelos trabalhadores do setor privado de TI é MUITO GRAVE; tão grave, que pior não pode ficar. A última CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) fechada pelo SEPRORGS e pelo Sindppd/RS foi a de 2011/2013. Isso significa que o último reajuste salarial dado aos trabalhadores foi em Novembro/2012.

A campanha salarial de 2013/2014 (data-base em 1º de Novembro de 2013) está no TST (Tribunal Superior do Trabalho) porque o SEPRORGS recorreu da decisão do TRT da 4ª Região o qual, em julgamento do dissídio, determinou um reajuste salarial de 5,6% e um AUMENTO REAL de 1%. O SEPRORGS está questionando ferozmente esse aumento de 1%. E mais do que isso: nessa ação do TST, o SEPRORGS questiona TODA a CCT; ou seja, se a entidade dos empresários ganhar, não apenas perderemos o 1% de aumento real como todos os demais direitos da nossa CCT estarão pendentes, ou seja, passíveis de deixarem de valer.

Já a campanha salarial de 2014/2015 está nessa lenga-lenga, em que chegamos à oitava mesa de negociação sem nenhum avanço.

Por tudo isso fica evidente que o SEPRORGS não fará nenhum esforço para fechar um acordo com o Sindppd/RS. A entidade já colocou na mesa que é somente o INPC para as duas campanhas salariais e deu. Nada mais.

Se quisermos garantir os direitos da nossa CCT atual e um índice mínimo de aumento real além do INPC, precisaremos protestar. Mobilizar. Parar. O Sindppd/RS estará realizando ações em empresas de TI, mas trabalhadores de qualquer empresa podem se organizar e protestarem. O Sindppd/RS tem infraestrutura disponível para apoiar e dar suporte para as mobilizações. Entrem em contato com a gente e vejam como podemos organizar: 51 3213-6100

Só com mobilização conseguiremos manter nossos direitos e avançar. O esforço terá que vir de nós!
Empresários da TI: se acham que o SEPRORGS não lhes representam, venham negociar um acordo coletivo direto com o Sindppd/RS!

O SEPRORGS diz há 3 campanhas salariais, pelo menos, que não pode dar AUMENTO REAL devido à crise financeira que estava vindo, mas que ainda não tinha atingido o Brasil. Há mais de 10 anos que essa diretoria do SEPRORGS entra em TODA negociação de campanha salarial querendo repassar apenas o INPC aos trabalhadores. Em todo ano, foi assim.

O trabalhador, aliado à tecnologia, é o grande motor de uma empresa de TI, seja de que área for (suporte, desenvolvimento etc). O trabalhador gasta muito para se qualificar, o que acaba gerando mão de obra e produção de alta qualidade, grande rentabilidade às empresas e lucro aos empresários. Não é justo que não seja valorizado nas campanhas salariais.

E convenhamos empresários, 1% de aumento real está longe de representar a valorização merecida pelos trabalhadores. É um índice baixo, mas importante para pagar as contas no final do mês de qualquer trabalhador. E nem esse MÍNIMO os empresários retrógrados do SEPRORGS querem dar.

Portanto empresário, se você pensa diferente do SEPRORGS, chamamos para que entre em contato com o Sindppd/RS para negociar um Acordo Coletivo em separado com avanços econômicos e sociais para os trabalhadores. Esses Acordos Coletivos têm validade legal perante à Justiça e não precisam passar pelo SEPRORGS.

 

 

Sindppd/RS      

sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

21 Comentários

  1. Pedro 5 maio, 2015 - 18:28 à 18:28

    Sindicato, por favor pare de faltar com respeito aos trabalhadores e responda as dúvidas levantadas a mais de uma semana!!

    Volto a levantar a questão que já perguntei antes, o Sindicato irá paralisar as homologações como havia prometido quando a greve fosse aprovada e iniciada ???????

    • sindppd 6 maio, 2015 - 11:07 à 11:07

      Pedro,

      se te recordas do que falamos, não adianta apenas a greve estar decretada. É necessário que trabalhadores entrem em greve nas empresas, senão a paralisação das homologações pode ser considerada ilegal. Foi assim que ocorreu em SP, que é o exemplo mais usado pelos colegas que defendem a paralisação das homologações.

      Att.
      Sindppd/RS

      • Pedro 6 maio, 2015 - 12:03 à 12:03

        Sindppd,

        É uma falta de bom senso acreditar que os trabalhadores podem arriscar o sustento de sua família aderindo a greve apenas por ela estar valendo.

        Qual empresa foi fechada hoje pelo Sindppd ? Tenho certeza que a grande maioria dos trabalhadores está de saco cheio e só precisa de uma ação destas para não trabalhar. Sem isso não sairemos do zero.

        Decretar greve sem fechar empresa e paralisar homologações será o mesmo que nada e garanto que as coisas vão continuar exatamente como estão hoje.

  2. Rodrigo 5 maio, 2015 - 19:23 à 19:23

    E as Homologações vão parar??? Lei da Greve.. abem para que serve isso??? para nada!!.. me desocntaram o dias de greve.. alem de me demitirem 5 meses depois.. então.. estamos respaldados por que tipo de Lei? porfavor.. eles fazem isso porque sabem que o sindicato fica sempre com ela lenga-lenga.. e de revindicar 8% de aumento real.. passa para 1%.. ai eles pensam.. ue.. baixaram 7%.. e ainda tiveram que entrar na Justiça.. vamos precionar.. total.. esse respaldo para greve.. não presta..

    Porfavor Sindppd… são voces que tem que fazer alguma coisa tmb.. não só o empregado.. voces ganham para isso.. a gente paga para isso.. ou pagamos só para voces conversarem com os Empresarios.. porque parece que se a gente nao faz nada.. voces nao conseguem nada.. para isso vamos por conta.. não acham?? descontaram um 1 de Sálario.. enquanto isso.. eu tenho mais contas pra pagar do que meu salario bruto.. hahaha.. muito parabens sindicato.. voces passam uma segurança e uma vontade de lutar…

    • sindppd 6 maio, 2015 - 11:48 à 11:48

      Rodrigo,

      sabemos das dificuldades e dos riscos de se fazer greve para todos esses trabalhadores desse país. Já é também de conhecimento dos trabalhadores de qualquer área (e não somente da TI) que grande parte das empresas são extremamente repressoras e demitem sim os trabalhadores grevistas, para que “sirva de lição” aos demais funcionários que não se deve fazer greve etc etc. Ou seja, as empresas pagam salários ruins e muitas têm péssimas condições de trabalho e ainda assim não aceitam mobilizações, reprimindo-as duramente. E isso acontece na TI, nos metalúrgicos, nos rodoviários etc.

      Agora, sem pressão dos trabalhadores, sem luta, não há como avançar. É isso o que mostram as outras várias campanhas salariais no país, inclusive na TI de SP, em que foi feita a greve. Achas que ninguém foi demitido por lá? Dificilmente que não. Aqui no RS está decretada legalmente a greve, portanto não há como os empresários afirmarem que é ilegal e portanto, nesse período, estamos sim resguardados pela Lei de Greve. O Sindppd/RS pode fechar a entrada de uma empresa de TI, mas se os trabalhadores não apoiarem, não haverá greve. Não adianta ir lá fechar as portas da empresa e os funcionários ficarem reclamando que querem entrar ou até mesmo forçarem para entrar. Ou quando há o “trancaço” nos polos (TECNOSINOS e TECNOPUC), que muitos colegas já escreveram aqui que é pouco, ter trabalhador de TI que fica buzinando, reclamando e até mesmo dizendo “vão trabalhar”. O Sindppd/RS é REPRESENTANTE dos trabalhadores; e mobilizações não se fazem apenas com as representações. Os trabalhadores precisam participar e apoiar.

      A mobilização, incluindo a greve, são formas de fazer pressão. E pressão que tenha efeito não se faz com os diretores liberados e funcionários do Sindppd/RS, que mal chegam a 20 pessoas. É preciso que os trabalhadores se mobilizem, se envolvam, participem.

      Se não é greve, se não é mobilização, o que tu sugeres que os trabalhadores e o Sindppd/RS façam?

      Ainda mais com uma entidade como o SEPRORGS, que entrou na Justiça para recorrer contra o aumento real de 1%. Se o sindicato patronal entrou na Justiça contra isso, achas que conversando iríamos conseguir 7%, 8% de aumento nas mesas de negociação? Se o SEPRORGS quisesse dar, já teria dado. Ou pelo menos, não teria recorrido na Justiça contra o mísero 1% de aumento real. Essa entidade quer dar só o INPC e ainda quer mexer no adicional noturno, quinquênios e outras questões da Convenção Coletiva. O Sindppd/RS apresentou uma proposta de novos pisos salariais, que vários colegas se manifestaram positivamente aqui pelo site e pelo email do sindicato, e essa entidade dos empresários também não aceitou. E a ineficiência ou responsabilidade é do Sindppd/RS?

      Por último, colocastes ali uma informação errada. Não recebemos para isso. Os diretores liberados recebem seus respectivos salários nas empresas em que são funcionários e nada além disso. A única coisa que eles têm é a liberação e a estabilidade para atuar no sindicato, não ganham nenhum dinheiro além dos seus salários. E ainda têm várias pessoas que não têm liberação e mesmo assim são diretores e se desdobram para conseguir estar nas atividades e mobilizações do sindicato. Por que? Porque acreditam no sindicato como uma ferramenta de organização e de luta dos trabalhadores. Desculpa, mas todos nós temos contas para pagar e a vida não tá fácil para a grande maioria da população.

      Att.
      Sindppd/RS

      • sindppd 6 maio, 2015 - 11:51 à 11:51

        E sobre parar com as homologações, favor conferir a resposta dada ao Pedro, que também foi sobre este assunto.

        Att.
        Sindppd/RS

  3. FERNANDO LUIS FEIDEN 5 maio, 2015 - 22:19 à 22:19

    Vergonha !!! ….simplesmente….

  4. FERNANDO LUIS FEIDEN 5 maio, 2015 - 22:21 à 22:21

    Vamos criar um novo sindicato !!

    • sindppd 6 maio, 2015 - 11:05 à 11:05

      Dos empresários, que tenham uma cabeça mais aberta? Quem sabe ajude, Fernando. Com empresários com disposição real de negociar, para avançarmos em conquistas.

      Att.
      Sindppd/RS

  5. Vinicius 5 maio, 2015 - 23:59 à 23:59

    Eu gostaria de saber qual o propósito destas reuniões? É uma reunião de negociação onde não existe contra-proposta? Ninguém cede e ninguém ganha em ponto algum. O SEPRORGS simplesmente apresenta a mesma proposta desde o primeiro encontro e não cede em nada. Não existe ninguém mediando essas negociações? O SEPRORGS se diz “disposto a negociar” porém não cede em nenhum ponto. Isso pra mim não é negociar, isto é impor a vontade deles.

    • sindppd 6 maio, 2015 - 12:06 à 12:06

      Vinícius,

      isso mesmo. Deveria ser de negociação, mas não é, já que o SEPRORGS não apresenta proposta além do INPC e não cede em nada. Negociações de campanha salarial não há mediação, a não ser a da Justiça do Trabalho – que é quando entramos no TRT com pedidos de mediações etc.

      Há 10 anos essa diretoria do SEPRORGS inicia mesas de negociação dizendo que só pode pagar o INPC. E agora quer dizer que a culpa é da crise econômica. Estamos lidando com empresários retrógrados, que pouco se importam com as condições de trabalho dos seus funcionários; só querem lucrar e lucrar.

      A saída para esse brete são as mobilizações dos trabalhadores. A Justiça, agora com o dissídio no TST, está mais complicado de se usar como alternativa.

      Att.
      Sindppd/RS

  6. Hugo 6 maio, 2015 - 8:36 à 8:36

    Isso é uma vergonha!!! Como protestar ?! sem ser punido por isso?
    Como fazer greve sem ser demitido?

    Somos reféns destes empresários que ficam cada vez mais ricos, enquanto o valor real do nosso salario, trabalhador é cada vez menor.

  7. Auxiliar de programador 6 maio, 2015 - 11:25 à 11:25

    “Não adianta parar as homologações”
    E o que adianta então?
    Essas reuniões de vocês cheias de blablabla que nunca chega E NUNCA chegarão a lugar nenhum?
    São sempre as mesmas “noticias”, não mudam uma linha.
    Isso é um desrespeito com os trabalhadores, vocês não se impõem em nada!

    • sindppd 6 maio, 2015 - 11:58 à 11:58

      Prezad@,

      a questão de parar as homologações é de cunho LEGAL. Sobre isso, já respondemos ao Pedro, favor conferir.

      E realmente, as reuniões são somente blábláblá do SEPRORGS, que até agora não apresentou uma ÚNICA proposta, além do INPC. Desrespeito para com os trabalhadores é pouco; essa entidade está é desprezando os trabalhadores da TI.

      Para nos impormos nessa campanha salarial terá que ser nas ruas e nas mesas de negociação. Para isso, precisamos da ajuda dos trabalhadores.

      Att.
      Sinbppd/RS

  8. Desenvolvedor 6 maio, 2015 - 11:29 à 11:29

    Para que serve esta lei da greve?
    Eu e mais algumas dezenas de trabalhadores fomos demitidos em Dezembro/12 da empresa Terra Networks em plena greve. (Demissão em massa de mais ou menos 150 colaboradores de Porto Alegre e São Paulo).
    Até agora, nada ocorreu. Tem um processo que o Sindicato moveu, porém já faz mais de um ano que não nos dá respostas sobre o seu andamento.

    O que me garante que se eu fizer greve, não seja demitido no dia seguinte?
    Qual segurança terei?

  9. Programadora 6 maio, 2015 - 13:22 à 13:22

    Gostaria de saber do sindicato se não existe nenhuma lei que determine que o dissídio tenha que sair em determinado tempo. O dissídio de 2013 já está a mais de 1 ano e meio nessa enrolação… Não existe um meio legal pra agilizar isso?
    E sobre o processo no TST, não tem um tempo máximo pra que seja resolvido ou pelo menos uma previsão dos próximos passos?

  10. Gustavo 6 maio, 2015 - 17:21 à 17:21

    Não sou do sindicato, mas não tem como só fazendo greve apenas os dissídios de serviços essenciais são julgados com prioridade, exemplo: Transporte coletivo.

    • sindppd 7 maio, 2015 - 16:19 à 16:19

      Exatamente, Gustavo. Mas até que conseguimos, de certa forma, apressar o julgamento. Vale citar a dedicação da nossa assessoria jurídica, que foi muito importante, junto ao TST.

      Att.
      Sindppd/RS

  11. Lucas 7 maio, 2015 - 17:40 à 17:40

    Aceitem de uma vez, 2 anos sem dissidio ta osso.

  12. Luis 10 maio, 2015 - 21:44 à 21:44

    Para variar o sindicato querendo DESFAZER A DECISÃO DOS TRABALHADORES que já haviam decidido por ir à justiça pela campanha 2013. ORA, NÃO SE NEGOCIA O QUE ESTÁ NA JUSTIÇA! Vocês quiseram oferecer rendição???? SEMPRE ASSIM? Isso é um estelionato!!! Campanha de 2013 não pode mais ser negociada, decisão na justiça! E se perdemos já sabemos que a mesa diretora do sindicato não é capaz de lidar com isso.

    Mobilizem os trabalhadores! Outras categorias o TST julga rapidinho quando entra em greve…

  13. Analista 12 maio, 2015 - 12:01 à 12:01

    Prezados,

    Tudo indica que isso não irá terminar tão cedo e olha que nem começamos a campanha salarial de 2015, mesmo estando pendente a de 2013 e 2014.
    A questão da greve conforme muitos colegas aqui já postaram é a segurança. Independente de termos família ou não, temos responsabilidades e não há nenhuma segurança de que não seremos demitidos. Isso ocorreu em anos anterior, sito como a greve da Stefanini em São Leopoldo, eram meus colegas!!!
    Eu apoio a greve, porem não há segurança, isso é fato!
    Essa briga de dois anos por 1% é um absurdo!!! Garanto que o nosso dissídio de 2014 (somente o INPC) está aplicado e rendendo juros %%%%…. aguardando somente um acordo ou uma decisão Judicial de pagamento. Claro que não nunca receberemos estes juros. Mas teremos o desconto do IRPF acumulado no final do mês.
    Para aqueles que buscam um diferencial de $$$, o correto e se qualificar e procurar outras empresas de TI que paguem melhor e que valorizem seus funcionários. Temos algumas na lista que o sindicato demonstrou aqui, onde efetuaram o pagamento antecipado do dissídio de 2013.
    O esquema todo é boicotar estas empresas, saindo destas e indo para outras melhores, levem seus colegas para estas, fazendo com que as empresas “sanguessugas” caiam no rodízio de funcionários, e que esse rodízio leve a má qualidade de seus serviços, até que um dia estes empresários pensem um “pouquinho” na palavra valorização e não somente escravidão.
    Quer saber, deixem rolar este processo de 1% miserável o qual não querem pagar e aceitem logo o valor oferecido do INPC de 2014. Afinal os nossos descontos aumentaram (inflação, alimentação e plano de saúde). Fechem logo este acordo de 2014 para podermos receber o que é de direito. Caso contrário, Prestem atenção!!!, Caso contrário vamos entrar com dissídio em cima de dissídio na justiça e nada será resolvido tão cedo.
    A questão das 40 horas, isto será bem mais difícil aqui no Sul, Se isso um dia for aprovado, teremos muitas demissões ou um realinhamento de salários.
    Pensem bem, nosso dissidio está rendendo juro que não vamos receber, mas claro.. vamos receber um bom, mas bom desconto acumulado de valores no final do mês.

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br