charge_SETORPRIVADO_Rsbier_DESTAQUE

Setor Privado 2014/2015: SEPRORGS propõe retirada de direitos e nada de aumento real

20 2406
image_pdfimage_print

 

Sindppd/RS e SEPRORGS (sindicato das empresas de TI) realizaram, nessa terça-feira (4/11) à tarde, a primeira mesa de negociação da Campanha Salarial 2014/2015. A reunião aconteceu na sede do sindicato patronal em Porto Alegre (RS).

CLIQUE AQUI para ver a ata

 

Sobre o dissídio da campanha salarial 2013/2014, a representação dos empresários nem sequer quis conversar. Disse que irá esperar o resultado do julgamento na Justiça do Trabalho, que ocorre na próxima segunda-feira (10/11), às 14h no TRT (Tribunal Regional do Trabalho). A proposta do Sindppd/RS, conforme decidido na assembleia dos trabalhadores, era negociar as duas campanhas salariais juntas a fim de resolver o impasse da de 2013/2014, que já dura um ano, e de fechar a de 2014/2015 respeitando a data-base da categoria (que é em 1º de Novembro).

Em relação à pauta de reivindicações da campanha salarial atual, o SEPRORGS afirmou que não poderia se posicionar sobre índices de reajuste salarial e de benefícios. No entanto, já adiantou o “mantra” de sempre: que o setor de TI encontra-se em condições financeiras desfavoráveis, que as empresas estão com crescimento reduzido etc.

Além de não oferecer nada de ganho, o SEPRORGS propôs ainda perdas de direitos da categoria, os quais já estão clausulados na CCT (Convenção Coletiva): limitar o número de quinquênios (adicional por tempo de serviço); reduzir o número de funções contempladas com os pisos salariais, assim como aplicar pisos diferenciados, de acordo com as regiões do estado (o que somente prejudica os trabalhadores); e reduzir o adicional noturno, que atualmente é de 60%.

O SEPRORGS ainda pretende retomar a discussão sobre a cláusula do banco de horas – em relação a qual uma decisão judicial, a partir de ação movida pelo MPT (Ministério Público do Trabalho), já determinou que o saldo negativo de horas não pode ser descontado dos trabalhadores.

Uma próxima mesa de negociação entre Sindppd/RS e SEPRORGS acontece no dia 14 de Novembro, às 14h, na sede do sindicato patronal.

 

Primeira mesa já mostra que é preciso mobilização

A posição da diretoria do Sindppd/RS também não é nenhuma novidade: se os trabalhadores de TI não se mobilizarem, dificilmente teremos avanços. Não estamos reinventando a roda; várias outras experiências de trabalhadores nos mostram que eles obtiveram ganhos apenas após greves, paralisações e manifestações em geral. Recentemente, presenciamos a greve dos bancários (e a maior parte da categoria é de bancos privados) e dos trabalhadores da CONTAX (call center da Operadora NET) – esses últimos enfrentaram uma dura greve de um mês.

Em pouquíssimos casos, infelizmente, categorias de trabalhadores conquistaram suas reivindicações por meio da negociação. Isso ocorre porque os empresários – que não gostam de serem chamados de “patrões”, mas agem como tais – não querem reduzir seus lucros. Querem ganhar mais e mais, em cima de funcionários que trabalham bastante e com salários baixos (pois, na cabeça da maioria dos empresários, investir em trabalhador é custo).

Sabemos dos limites de se fazer mobilizações no Setor Privado, no qual a repressão tende a ser mais agressiva do que no setor público. No entanto, no setor da TI, a vida também não está fácil nas empresas públicas; as direções das empresas e os governos têm fechado o cerco, na tentativa de amedrontar os funcionários a fazerem manifestações, por meio de assédio de chefias; dos descontos, em dinheiro nos salários, das horas ou dias parados, entre outras medidas.

Ingressar com dissídio na Justiça é sempre uma alternativa. Mas além de precisar seguir um caminho burocrático para poder ajuizar, com fundamentos e provas para que não seja julgado improcedente, ainda não é garantia  que as reivindicações dos trabalhadores serão atendidas no julgamento.

Se quisermos avançar em direitos e em ganhos no Setor Privado gaúcho de TI, colegas, será preciso nos arriscarmos. Seja com mobilizações ou outras atividades pelas quais façamos pressão nos empresários, nas quais tenha a participação dos trabalhadores. Afinal, o sindicato não faz nada sozinho.

O Sindppd/RS poderá convocar qualquer manifestação que, se não tiver o apoio, a adesão e a participação dos colegas, pouco se conseguirá.

Em breve, reiniciaremos as visitas e panfletagens nos centros tecnológicos e nas principais empresas de TI da Capital e da região metropolitana. Ficamos à disposição dos colegas e de ideias e de sugestões.

Vamos junto!

 

Sindppd/RS

sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

20 Comentários

  1. Supervisor 5 novembro, 2014 - 14:57 à 14:57

    Só o sindicato achando que o SEPRORGS, iria negociar alguma coisa, estamos a um ano esperando o Dissídio que até agora não veio, não sei porque não entraram já na justiça este dissídio em conjunto com o que está em atraso, e aí se vai mais um ano na espera.

    • Diretoria do Sindppd/RS 7 novembro, 2014 - 15:46 à 15:46

      Prezado “Supervisor”,
      Todas as campanhas salariais seguem uma dinâmica que não é determinada somente pelo sindicato ou pela nossa categoria. Mas se tivéssemos uma mobilização importante da categoria, o Seprorgs negociaria de fato, independente da nossa expectativa.
      Na hipótese de não ter pressão sobre os patrões, temos que obrigatoriamente, seguir um roteiro determinado pela legislação vigente (e não por nós) de negociações etc, até o momento do impasse, quando então podemos ajuizar o dissídio. Isto é a lei que determina e independe da nossa vontade.
      Importante destacar, que a data-base de 2013, não se confunde com a de 2014. Até podemos fechar uma acordo para as duas datas-bases, mas os Dissídios são coisas distintas e independentes.
      No entanto, com o objetivo de agilizar a campanha 2014/2015, vamos fazer como em campanhas anteriores, de chamar a categoria para pressionar o patronal, pois este é o caminho mais rápido e que na nossa opinião, pode avançar nas reivindicações da categoria.
      Diretoria do Sindppd/RS

  2. Alemão 5 novembro, 2014 - 16:07 à 16:07

    Ano que vem sai o “básico”, ou seja, a inflação. Peçam isso de uma vez. Assim não esperamos o óbvio (ou o inacreditável 1%) por um ano.

    valeu!

  3. Gustavo 6 novembro, 2014 - 8:03 à 8:03

    VOU REPETIR AQUI MAIS UMA VEZ COLOQUEM NA JUSTIÇA LOGO ESSE DISSÍDIO 2014/2015 SÓ DESTA FORMA VAMOS CONSEGUIR ALGO, NÃO TEMOS COMO FAZER GREVE!
    VOCÊS VÃO ESPERAR QUANTO TEMPO PARA ACIONAR NA JUSTIÇA?
    VAMOS FICAR MAIS UM ANO ESPERANDO!?

    • Diretoria do Sindppd/RS 7 novembro, 2014 - 15:53 à 15:53

      Gustavo,
      Também vamos repetir, que as principais decisões da campanha salarial são tiradas em assembleia geral da categoria. Por isso a importância da participação da categoria neste no fórum de decisões.
      Sobre o ajuizamento de dissídio coletivo neste momento da campanha salarial, observar resposta no post acima, do colega “supervisor”.
      Diretoria Sindppd/RS

  4. Gustavo 6 novembro, 2014 - 16:05 à 16:05

    Se obtivermos exito na justiça, vai ser um tapa na cara do Seprorgs e então eles vão pensar duas vezes antes deixar os trabalhadores esperando por um misero aumento.

  5. David 6 novembro, 2014 - 18:14 à 18:14

    O SindPPD não pode ajuizar ação de dissídio sem antes seguir os trâmites legais padrões. Se eles fizerem isso, a justiça vai negar o pedido deles, tendo em vista que eles não tentaram um acordo pacífico. O SindPPD faz a sua parte, porém a Justiça possui muita morosidade. Onde já se viu levar tanto tempo pra se julgar uma ação de dissídio? Tomara Deus que a Justiça ponha a mão na consciência e finalize esse processo do dissídio com uma decisão favorável a nós. SindPPD, faça todos os trâmites legais de negociação deste novo dissídio o mais rápido possível, para que seja possível ajuizar uma nova ação contra o sindicato patronal o quanto antes. Greves o pessoal não faz, todos nós temos contas a pagar e famílias para sustentar. Bem ou mal o nosso salário atual é que leva o pão a nossa mesa. Vamos precisar de toda a pressão que o sindicato puder fazer para que assim nossas reivindicações (que são justas) sejam atendidas.

  6. Edson 7 novembro, 2014 - 11:41 à 11:41

    ESPERO BOM SENSO DO SINDPPD DESSA VEZ!

    Se na reunião de 14 de novembro não houver avanços (É ÓBVIO QUE NÃO HAVERÁ) já coloca uma ação do Dissídio de 2014/2015 no TRT! COLOCA LOGO! NÃO FICA SE AMARRANDO! NÃO QUERO ESPERAR DE NOVO 1 ANO PARA RECEBER ESSA MISÉRIA DE 5,58% E, COM SORTE, + 1% CHORADO!

    • Diretoria do Sindppd/RS 7 novembro, 2014 - 15:57 à 15:57

      Edson,
      Importante observar os comentários postados acima, do colega #David e também a resposta da diretoria ao “supervisor”.
      Diretoria Sindppd/RS

  7. João 7 novembro, 2014 - 13:22 à 13:22

    Quando poderemos ajuizar o processo de dissídio 2014/2015?
    Todos sabemos que essa negociação não vai rolar, que os patrões não querem papo (só lucro). A questão é não ficar empurrando isto por tanto tempo como tem sido nos últimos anos. Que se façam reuniões até no máximo dezembro para em janeiro já entrar na justiça. Assim pelo menos vamos ter um julgamento antes da próxima campanha.
    Acho importante ajuizar pois mesmo que o ganho seja pouco, ainda é ganho. Se ficarmos na mão dos patrões vamos acabar recebendo menos que a inflação…

    • Diretoria do Sindppd/RS 7 novembro, 2014 - 16:01 à 16:01

      João,
      Importante observar os comentários postados acima, do colega #David e também a resposta da diretoria ao “supervisor”.
      De toda forma, vamos ter que construir coletivamente uma saída, para dar maior celeridade à campanha salarial 2014/2015, independente se for ajuizamento de um outro dissídio ou se for pela construção de acordo.
      Diretoria Sindppd/RS

  8. Jean 7 novembro, 2014 - 13:40 à 13:40

    De pouco adianta querer mobilizar a categoria se 90% das pessoas a ela associados conhece a existencia do SINDPPD.

    Entragar panfleto não existe, galera é de TI não de açougue

    • Diretoria do Sindppd/RS 7 novembro, 2014 - 16:23 à 16:23

      Jean,
      Nossa opinião é que a distribuição presencial de panfletos, pode ser um momento privilegiado para os trabalhadores da categoria, no sentido de exporem diretamente suas opiniões para os diretores do sindicato, e na porta do seu local de trabalho.
      Obviamente esta forma não é excludente, em relação ao envio de informações via internet, através das várias formas disponíveis (site, news, redes sociais etc). Uma dessas formas é a nossa newsletter, o que inclusive aproveitamos para convidá-lo a assiná-la, caso seja do seu interesse, assim como poderá repassar este mesmo convite para seus colegas.
      E para finalizar, na nossa opinião, quem ganha em conhecer o seu sindicato, é categoria representada por ele.
      Diretoria Sindppd/RS

      • Jean 17 novembro, 2014 - 14:09 à 14:09

        “momento privilegiado para os trabalhadores da categoria” definitivamente piada para o trabalho que o sindicato vem fazendo.

        Nossa categoria esta defasada, e vocês sempre na mesma!

  9. Gustavo 10 novembro, 2014 - 11:00 à 11:00

    DIRETORIA SINDPPD
    Estamos exaustos com esta falta de articulação!
    Já sabemos da postura do sindicato patronal e mesmo assim vocês insistem e mediar o dissidio junto ao patronal, errar é humano persistir não!
    Já se esgotaram as tentativas de acordo do dissidio 2014/2015 então coloquem na justiça de uma vez, panfletos e manifestações de meia duzia não adianta!
    Vocês já estão carecas de saber que não temos como fazer greve!

  10. Gustavo 10 novembro, 2014 - 11:05 à 11:05

    Vocês estão falando que a justiça tem muita morosidade, porem vocês demoram para ajuizar o dissidio por este motivo que demora mais ainda!
    Parece que vocês estão a favor do sindicato patronal.
    Já não teve duas reuniões sobre o dissidio 2014/2015, então vão tentar o que, todo mundo insatisfeito com o sindicato e você continuam com a mesma postura assim como o sindicato patronal.

  11. João 10 novembro, 2014 - 13:31 à 13:31

    Por favor nos mantenham informados de forma ágil sobre o andamento do julgamento. Por sinal, algo dessa importância poderia ter uma cobertura “online” via twitter ou alguns webchat.
    Somos TI, temos que modernizar a comunicação do sindicato para poder atingir mais trabalhadores e aumentar a adesão!

  12. Rodrigues 13 novembro, 2014 - 19:38 à 19:38

    Eu dou uma sugestão sobre a negociação do dissídio de 2014/2015. Penso que o SINDPPD deve fazer a reunião que já está programada com o SEPRORGS. Se não chegarem a um acordo nessa reunião, então de imediato o SINDPPD deve levar esse dissídio para julgamento no TRT. Pelo que vi, a descrição da postura do SEPRORGS na reunião de 04/11/14 demonstra que não se chegaria em um acordo tão cedo com eles. Eu acho lamentável se tivermos de esperar mais um ano pelo reajuste. Sugiro que o SINDPPD exponha ao TRT que julgou inevitável levar o díssidio a julgamento, depois de realizar 2 reuniões de negociação (1 que vai ser feita em 14/11/2014), pois concluiu que o SEPRORGS irá tomar a mesma postura que tomou no dissídio anterior, prejudicando demasiadamente aos trabalhadores. Com o julgamento seria visto que pode se chegar a um reajuste, com aumento real, em menos tempo.
    Uma dúvida, que peço esclarecimento: depois que o SINDPPD levou o dissidio de 2013/2014 para julgamento, quanto tempo levou para chegar ao resultado final? Eu faço ideia que foi no máximo 60 dias. Foi isso, ou estou errado?

  13. Duvida 14 novembro, 2014 - 8:52 à 8:52

    Mediante essas ameaças e abusos que o sindicato deveria ter um canal de denúncias anônimas para o profissional poder encaminhar essas situações. Existe isso hoje?

  14. João 17 novembro, 2014 - 10:50 à 10:50

    Como foi a reunião de sexta no SerproRS?

    Poderiam nos atualizar?

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br