SERPRO – A jornada de 6h sem redução de salário é possível

0 598
image_pdfimage_print

 

Empresas públicas de TI, inclusive parceiras do SERPRO, já reduziram suas jornadas de trabalho sem diminuir os salários dos trabalhadores. Um exemplo é o CIASC (Centro de Informática e Automação de Santa Catarina), do governo de SC, que no final de 2015 assinou acordo com o SERPRO para fornecer, via o programa Infovia SC, rede privada de alta velocidade com circuitos em fibra óptica com largura de banda de até 1Gbps e alta disponibilidade.

Os trabalhadores de TI do CIASC têm jornada de 6h diárias há mais de 10 anos. Antes, eles trabalhavam 8h, e a redução da jornada de trabalho deles se deu SEM A REDUÇÃO DOS SALÁRIOS. Sindpd/SC esteve presente no evento do fechamento do acordo com o CIASC e, representando os trabalhadores do SERPRO, fez um chamamento público ao presidente da empresa, Marcos Mazoni, pelas 6h diárias. O sindicato ressaltou que, com essa conquista, os trabalhadores do CIASC passaram a ter melhor qualidade de vida e menos doenças do trabalho, mantendo a mesma produção em seus locais de trabalho.

O maior patrimônio que as empresas possuem é o HUMANO, e este deve ser considerado. É com esse objetivo que os trabalhadores do SERPRO da Regional Santa Catarina levantaram a pauta da redução da jornada de trabalho para 6h diárias como principal na campanha salarial de 2014. Naquele ano, como forma de mobilização e para mostrar que essa reivindicação é possível, os colegas da Regional trabalharam 6h por vários dias. Chegaram a ser penalizados pela direção da empresa com descontos nos salários e suspensões, mas provaram aos trabalhadores do SERPRO de todo o país que é possível encarar a luta pela redução da jornada sem prejudicar os serviços e produtos de TI de qualidade que a empresa, por meio de seus funcionários, presta a toda a população brasileira. E sem diminuir os salários dos trabalhadores.

Nossa pauta das 6h diárias não é considerada absurda perante à Justiça. Na conciliação do dissídio coletivo na GREVE do SERPRO, o ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Ives Gandra, ao dialogar com a pauta dos trabalhadores propôs uma jornada de 7h 30 minutos, reduzindo assim em 30 minutos diários. A direção da empresa não aceitou a oferta e a questão nem sequer entrou na ata. No entanto, foi importante pois mostrou que a Justiça está começando a levar em consideração este tema, abrindo espaço para nossa reivindicação.

A pauta das 6h diárias também não é considerada absurda pelos trabalhadores do SERPRO. Nós sabemos que passar mais de 8h por dia na frente do computador cansa, causa dores no corpo e fadiga mental, nos deixa doentes, mata dia a dia nossa criatividade, diminui a possibilidade de novas ideias. E sabemos que embora batamos o cartão e agradamos os chefes ficando mais de 8h na empresa, poderíamos render mais e melhorar ainda mais os serviços do SERPRO. E teríamos tempo para VIVER. Tanto temos consciência disso, que foi a redução da jornada de trabalho para 6h diárias que uniu trabalhadores do SERPRO de todo o país e acendeu uma chama que, com a campanha salarial e a proposta vergonhosa de 5,5% de reajuste e de acordo para 4 anos da direção, alastrou-se e se transformou na maior GREVE dos últimos 15 anos da história da empresa.

Do nosso movimento nacional em 2015 saímos com o comprometimento, no TST, de ser criada, em 30 dias, uma comissão paritária entre a direção do SERPRO, sindicatos da FNI e FENADADOS para estudar a redução da jornada de trabalho para 6h diárias. Não podemos nos iludir de que esse espaço irá solucionar nossos problemas se não houver a continuidade da luta coletiva, mas a abertura do debate já será um importante ponto de partida.

O que resolve MESMO nossos problemas é a nossa LUTA. Essa campanha salarial colocou isso à prova, confirmou e reconfirmou. Direitos não se reduzem; devendo os gestores públicos melhorá-los. Aos que dizem que precisam das 8h no SERPRO para cumprir prazos e finalizar projetos, avisamos que não conseguirão aumentando as horas de trabalho de funcionários cansados e estressados com a jornada normal, mas sim o NÚMERO DE TRABALHADORES.

Tem muita gente boa e qualificada da TI buscando emprego no país. Vejam bem, colegas: a redução da jornada no SERPRO, além de beneficiar os trabalhadores e a própria empresa, também pode gerar EMPREGO, combatendo assim o desemprego no país e fazendo a economia girar.

A nossa luta pelas 6h continua porque outros direitos devemos e iremos conquistar, na LUTA!

 

Colega do SERPRO: vem com a gente desde já na luta PELA REDUÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO PARA 6h SEM REDUZIR OS SALÁRIOS! Que venha 2016 e as nossas 6h!

 
* Texto feito com colaboração do Sindpd/SC. Original está no BLOG da FNI

 

 

OLTs e sindicatos que constroem a FNI e entidades parceiras

sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117
Guias de Contribuição - (0xx51) 3213-6105

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br