salim_mattar_serpro_dataprev_DESTAQUE

Salim Mattar calunia trabalhadores para justificar privatização do Serpro e Dataprev

0 199
image_pdfimage_print

 

Em entrevista à Rádio Gaúcha (do Grupo RBS, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul) na manhã desta 3ª feira (21/01), o secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, acusou abertamente os trabalhadores do SERPRO e da DATAPREV de venderem os dados da população.

Sem qualquer tipo de prova e sem sequer ser questionado pelos jornalistas que o entrevistavam, Mattar relacionou a situação de cidadãos, que muitas vezes sabem do deferimento do seu pedido de aposentadoria quando financeiras ligam oferecendo crédito, ao repasse dos dados sigilosos da população pelos colegas do SERPRO e da DATAPREV. Ele declarou: “Empresa estatal não funciona bem. Você verifique que os nossos dados estão SENDO VENDIDOS PELOS SERVIDORES PÚBLICOS DESSAS ESTATAIS [SERPRO e DATAPREV]. Então nós temos que privatizar porque, se privatizar, tem legislação, poderemos processar essas pessoas, é muito diferente”. O que ele não disse é que existe controle social nas empresas públicas que permite investigação e punição para quem cometer falhas, enquanto no setor privado é difícil, inclusive, descobrir as fraudes quando elas acontecem.

 

CLIQUE AQUI para conferir o trecho da entrevista, disponibilizado pelo portal Capital Digital

 
É uma declaração totalmente irresponsável, mentirosa e indignante, mas que tem um objetivo político bem definido: o desvio de finalidade para enriquecimento ilícito e convencer a população de que a privatização de estatais é necessária para melhorar a prestação de serviços e, no caso do SERPRO e da DATAPREV, para garantir a segurança das informações.

A FENADADOS e os sindicatos que controem a FNI adotarão todas as medidas judiciais cabíveis e representarão, junto à Procuradoria Geral da República por crime de responsabilidade, desvio de finalidade e calúnia contra o sr. Salim Mattar. Basta de mentiras e calúnias contra os trabalhadores, que construíram e constroem as empresas DATAPREV e SERPRO, empresas que nunca tiveram vazamentos de dados da população.

O que Mattar esconde, de propósito, é que o vazamento de dados a que se refere foi descoberto em 2019 e, embora envolva o programa Hiscon, esse banco de dados só pode ser acessado nas agências ou no site do INSS com login e senha do usuário. Portanto, dificilmente tem envolvimento dos trabalhadores da DATAPREV (veja mais no link http://www.bandnewsfm.com.br/2019/04/20/apos-revelar-venda-de-dados-pessoais-bandnews-fm-mostra-negociacao-de-lista-de-aposentados-e-historico-de-consignado)

Durante a entrevista, Salim Mattar ainda disse que vazamento como este não ocorreria nas empresas privadas. “Precisamos privatizar a DATAPREV e o SERPRO com o objetivo de que a iniciativa privada, que é mais cuidadosa que as empresas públicas, não permita que esses dados sejam extrapolados, distribuídos no mercado como atualmente está acontecendo com a empresa pública. Está acontecendo isso porque é empresa pública, se fosse privada não aconteceria isso”, defendeu arduamente o banqueiro e empresário.

Mais uma vez, Mattar foi seletivo em sua fala para agitar a sua bandeira da desestatização e da privatização das empresas públicas. Ele ignorou os vários casos de vazamento de dados envolvendo empresas privadas de TI no mundo, a mais recente ocorrida no Equador, em que 18 GB de dados pessoais de cidadãos daquele país foram tornados públicos em 2019, atingindo cerca de 20 milhões de pessoas (mais detalhes neste link https://tecnoblog.net/307316/vazamento-dados-20-milhoes-cidadaos-equador/).

Vale lembrar que a DATAPREV e o SERPRO são empresas de excelência em TI pública no Brasil e no mundo, são lucrativas e premiadas entre as melhores do país em 2019 pela revista Exame.

 

 

O MITO de que os dados do PENTÁGONO (Estados Unidos) são gerenciados pela iniciativa privada
 
Esta é outra informação inverídica que vem sendo divulgada aos quatro ventos pelo governo privatista de Bolsonaro e que foi endossada pelo secretário Salim Mattar. Os dados do Pentágono são administrados pela ESTATAL de Tecnologia da Informação do órgão, a DISA (Defense Information Systems Agency), que, com 4.500 funcionários, desenvolve sistemas e contrata terceiros quando necessário, permitindo que o Estado americano faça parcerias tecnológicas sem abrir mão de sua soberania.

Em hora alguma o governo dos Estados Unidos falou em vender essa estatal, que cuida dos dados relativos à segurança nacional. O que os secretários do Governo Bolsonaro se referem é ao projeto JEDI, que trata da contratação de uma empresa para apoiar o Pentágono na melhoria de sua infraestrutura tecnológica visando armazenar dados na nuvem. A nuvem resultante do JEDI, apesar de ser desenvolvida pela empresa vencedora do contrato, estará sob o total controle do Pentágono.

Veja mais neste link, de um portal mantido e alimentado por trabalhadores do SERPRO e da DATAPREV, que são técnicos da área de TI e sabem do que falam: http://salveseusdados.com.br/pentagono-usa-sua-propria-estatal-para-guardar-seus-dados-diferente-do-afirmado-pelo-governo/

 

 

 

O desvio de finalidade da privatização: quais os interesses que estão em jogo na privatização do SERPRO e da DATAPREV?

A privatização das empresas de tecnologia de informação (TI) públicas coloca em risco o sigilo e a segurança de dados estratégicos para o Estado e milhões de brasileiros (nas áreas da Receita, INSS, comércio exterior, segurança pública, licenciamentos de veículos, dentre outros). Em mãos privadas, a má utilização dessas informações configura grave risco à soberania e segurança nacionais. Mas existe outro aspecto, que vem sendo pouco discutido nesse processo de privatizações levado a cabo pelo atual governo, que é a PRIVATIZAÇÃO PRÉVIA DE ÁREAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO E DE ESTADO, que passam ao controle político e administrativo de representantes de grandes corporações empresariais, antecedendo a alienação dos ativos. É o que está acontecendo na área de TI estatal.

 

Veja neste link, quem é quem entre os secretários >> http://www.sindppd-rs.org.br/nao-a-privatizacao-do-serpro-e-da-dataprev-veja-quem-e-quem-e-os-interesses-que-estao-em-jogo/

 

 

 

Sindppd/RS, Sindpd/SC/ FNI, FENADADOS e sindicatos

* Texto retirado do BLOG da FNI

 

sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

Similar articles

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br