Em um ano, 65,7 mil pessoas entram em extrema pobreza no RS

0 48
image_pdfimage_print

 

Matéria do jornal Zero Hora de 12 de Dezembro de 2018.

 

Extrema pobreza avança no Estado

QUASE 66 MIL PESSOAS entraram no grupo que tem renda familiar individual inferior a R$ 140 por mês entre 2016 e 2017

Recorrer aos amigos foi o único caminho que Tatiane Maciel, 33 anos, e Marcelo da Rocha, 46, encontraram para sobreviver diante da crise. As doações são o que têm garantido a alimentação do casal e dos cinco filhos, hoje pertencentes à classe social que o Banco Mundial chama de extrema pobreza – quando a soma da renda familiar dividida pelo número de pessoas fica abaixo de US$ 1,90 por dia (R$ 140 mensais em 2017).

No ano passado, 383,7 mil gaúchos (3,4% da população) estavam nessa situação, 65,7 mil a mais do que no ano anterior, conforme dados da Síntese dos Indicadores Sociais, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada.

Tornou-se corriqueiro para Tatiane, quando a despensa não está vazia, fazer fogo na rua para cozinhar, já que gás é item de luxo para ela. Latas velhas servem de fogão e a chama que aquece os alimentos é mantida por lenhas catadas no mato nos fundos da casa. Materiais de construção e a mão de obra que ergueram o imóvel de dois quartos em um terreno irregular no bairro Jardim Carvalho, em Porto Alegre, foram fruto de caridade. A faxineira desempregada não se constrange ao mostrar os buracos no telhado, mas o sorriso se retrai quando mostra o quarto dos filhos, mobiliado com camas e colchões encontrados no lixo:

– Eles queriam um quarto mais bonito, mas é o que conseguimos.

É quando os filhos são atingidos que a angústia cresce. Tatiane não consegue emprego e o dinheiro que Rocha ganha com o táxi alugado não paga, muitas vezes, nem a diária de R$ 90 do veículo. Quando sobra R$ 50 é muito, diz, mas a regra é voltar para casa com R$ 20.

Os insucessos dos Rocha começaram em 2016, quando, por desavenças, precisaram deixar a casa em que moravam e tudo o que tinham. O casal e os cinco filhos passaram a viver no táxi, na rua ou em uma casa de sete metros quadrados até surgir a ideia de ocupar a área na Zona Norte.

Assim como a família Rocha, outros milhares ingressaram na extrema pobreza em 2017. Os motivos para que o índice de gaúchos nessas condições passasse de 2,8% para 3,4% em um ano podem ser interpretados como parte da herança deixada pela recessão.

– Em períodos de crise, as primeiras demissões são de salários menores. Esse é o grupo que fica em situação mais delicada. A produção nas indústrias, por exemplo, vai morrendo pelas beiradas, com o fechamento de linhas – observa o economista Ely José de Mattos, professor da Escola de Negócios da PUCRS.

Para Ely, o avanço na pobreza extrema também evidencia o alto nível de desigualdade social, que dificulta a ascensão de camadas mais desfavorecidas. Conforme o IBGE, no ano passado, o rendimento dos 10% mais ricos de Porto Alegre foi, em média, 17,3 vezes superior ao do grupo formado pelos 40% mais pobres.

 

 

RS DEVE RECUPERAR COMPETITIVIDADE

Pesquisador do IBGE, Leonardo Athias salienta que, em 2017, mesmo com alta do PIB, houve redução do números de beneficiários do Bolsa Família. O cientista político destaca, ainda, a importância da estabilidade de programas públicos, pois podem ajudar pessoas em situação de pobreza a se reerguerem.

– Se essa pessoa não está se alimentando e nem se vestindo, não vai ter condições de pagar transporte público para procurar emprego – explica Athias.

Professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), o economista Felipe Garcia acrescenta que, no Estado, entraves burocráticos também freiam a abertura de empresas e, consequentemente, a criação de postos de trabalho, prejudicando parcelas mais pobres.

– No Rio Grande do Sul, o ambiente de negócios é mais complexo do que em outras regiões. Processos mais rápidos para abertura de empresas são fundamentais para o crescimento – avalia Garcia.

A elevação do percentual de pobreza extrema no Estado é inferior à registrada em nível nacional, que passou de 6,6% para 7,4%, mas, mesmo assim, os gaúchos tiveram o pior desempenho da Região Sul. Para Ely, esse é mais um dos indícios de perda de fôlego da economia gaúcha em relação aos vizinhos, já demonstrada no Índice de Desenvolvimento Estadual (iRS), parceria de ZH e PUCRS. Parte do movimento guarda relação com a crise fiscal gaúcha, diz o professor.

Entre 2016 e 2017, o Rio Grande do Sul manteve o sexto melhor índice do país. Santa Catarina (1,7%) e Maranhão (19,8%) aparecem nas extremidades do ranking. Mudança na metodologia impede a comparação com dados anteriores a 2016.

 
 
 

Sinais de melhoria no futuro

No curto prazo, especialistas avaliam que tanto o Rio Grande do Sul quanto o Brasil terão alívio no mercado de trabalho, o que poderá beneficiar parcelas mais pobres da população até o final do ano. A projeção está ancorada na leitura de que datas como Natal costumam abrir espaço para a contratação de temporários. Para 2019, caso a economia confirme perspectivas e apresente desempenho mais vigoroso, a geração de empregos será estimulada de maneira gradual, apontam analistas.

– No próximo ano, expectativas de empresários tendem a ser renovadas. Deve haver retomada no mercado de trabalho, mas ainda não de maneira tão consistente – pondera o professor Ely José de Mattos, da PUCRS. – O movimento de reação é lento – completa.

O professor da UFPel Felipe Garcia ressalta que o nível de crescimento econômico dependerá das condições da política. Segundo ele, para melhorar o ambiente de negócios, o país precisa equilibrar suas contas com a realização de reformas, como a da Previdência.

– A reação mais consistente depois da recessão depende do ambiente político. Reformas não podem ser postergadas – defende o professor da UFPel.

 

Tagged with: , , ,
sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

Similar articles

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br