220409Ato Bolsonaro Nunca Mais_DESTAQUE

9 de Abril é dia de mobilização nacional “Bolsonaro Nunca Mais”! Em Porto Alegre (RS), ato é às 15h, participe!

0 403
image_pdfimage_print


Contra a carestia dos combustíveis e alimentos, as privatizações das empresas públicas que estão em andamento, em especial na nossa categoria o SERPRO e a DATAPREV, e a destruição dos direitos dos trabalhadores.

 

Neste próximo sábado (9 de Abril), acontece mais um dia nacional de luta pelo Fora Bolsonaro, organizado por sindicatos e centrais, organizações estudantis e movimentos sociais articulados na Campanha Fora Bolsonaro. Desta vez, os atos e protestos que ocorrerão em todo o país focam no “BOLSONARO NUNCA MAIS! Contra o aumento dos combustíveis e do gás! Não à fome e ao desemprego!”.

Em Porto Alegre, o ato é a partir das 15h, com concentração no Largo Glênio Peres, junto à prefeitura da Capital gaúcha. A piora nas condições de vida do povo brasileiro exige a continuidade da luta nas ruas por medidas emergenciais e soluções estruturais para enfrentar a fome, o desemprego e a carestia.

O Governo Jair Bolsonaro e seus aliados estão entre os principais responsáveis pela crise econômica e social, pois promovem a retirada de direitos dos trabalhadores para beneficiar grandes empresas e a destruição de recursos naturais para sustentar o agronegócio; tira dinheiro de áreas sociais importantes, como a saúde e a educação, para dar a banqueiros e empresários; não têm política pública para ajudar famílias pobres; incentivam o preconceito e a violência conta negros, mulheres e LGBT, entre outros.

Vamos às ruas para dar um basta a este governo!


ATO BOLSONARO NUNCA MAIS
– em Porto Alegre (RS)

Neste sábado (9/04) – Às 15h
Concentração no Largo Glênio Peres, junto à prefeitura

 

 

 

Abaixo, divulgamos texto para sugestão de leitura:

Diante do aumento do custo de vida, apoiar as greves e construir o dia 9 de abril

 

Manifestação em Belo Horizonte (MG), da greve da educação municipal/ Sind Rede

 

Para a maioria da população, viver tem se tornado cada vez mais difícil. A inflação dos últimos meses, somada ao desemprego e à precariedade, transformou tarefas básicas do dia a dia de qualquer família em verdadeiras lutas diárias pela sobrevivência.Comer tem sido o principal desafio. A alta dos preços atingiu quase todos os itens e produtos, como arroz, pão, café, cebola e cenoura que, em Fortaleza (CE), subiu 334% em um ano. Com isso, para 38% dos desempregados, a quantidade de comida em casa não tem sido suficiente.O custo de vida piorou também por conta do aumento dos combustíveis, do gás de cozinha, das tarifas de água e energia e no transporte público. O reajuste recente da Petrobras, resultado da política de preços do governo, teve efeitos nos alimentos e no transporte, com impacto imediato em categorias como entregadores, motoristas por aplicativo e caminhoneiros. Diante da inflação e também dos ataques de governos e empresas, a classe trabalhadora tem reagido, com o aumento das greves em todo o país.

Neste momento, estão em greve categorias nacionais, como os servidores do INSS e os do Banco Central, ao mesmo tempo em que o funcionalismo público federal avança na mobilização unificada por reajuste, tema que também desperta lutas em várias cidades, como São José dos Campos (SP). A educação tem sido vanguarda nas greves, com movimentos como o de Teresina, com mais de 50 dias parados; de Belo Horizonte (MG) e de Goiás. Em comum, a exigência da aplicação da Lei do Piso. No setor de transportes, rodoviários pararam no Maranhão, em Teresina e no Rio de Janeiro, e uma importante greve dos metroviários ocorre neste momento em Belo Horizonte (MG), contra a privatização do metrô.

Várias lutas têm sofrido repressão, como ocorreu com os garis do Rio de Janeiro, parados desde o dia 28, e que já tiveram quatro ativistas detidos. Os garis enfrentam o prefeito Eduardo Paes (PSD), exigindo reajuste das perdas, e não de apenas 4%. Além disso, muitas greves enfrentam decisões da Justiça, tornando ilegal o movimento e inclusive ameaçando de prisão suas lideranças.


Bolsonaro, a culpa é sua!

Segundo o Datafolha, 75% da população responsabiliza Bolsonaro pela inflação. E 68% dos entrevistados consideram que ele tem culpa na alta dos preços dos combustíveis, ainda que tente responsabilizar somente a direção da Petrobras, com a troca de comando, ou os impostos. Apesar da pretensa indignação com a “insensibilidade” da empresa, Bolsonaro silencia sobre o Preço de Paridade de Importação (PPI), criada justamente para garantir os lucros dos acionistas internacionais. Além de não mexer nesse mecanismo, utiliza a alta dos preços para defender a privatização total, ou seja, para entregar de vez a Petrobras (e junto com ela o controle dos preços) nas mãos de uma minoria de bilionários.

O governo é culpado pela inflação que assola a vida do povo. Mantém o PPI, privatiza fábricas de fertilizantes, encarecendo a produção agrícola, e não tem nenhuma medida para garantir a soberania alimentar ou preservar estoques. Também é culpado pela devastação recorde do meio ambiente e a invasão de terras indígenas, contribuindo para tragédias climáticas como secas e chuvas, que afetam as safras e encarecem o preço dos alimentos.

Da mesma forma, suas políticas de auxílio, retomadas para tentar reabilitá-lo eleitoralmente, se mostram insuficientes. Caminhoneiros e motoristas de aplicativo chamam os vales combustível de esmola, pois não cobrem nem dois dias de trabalho destes últimos. Já o Auxílio-Brasil, que começou a ser pago em março, é criticado pelo baixo valor.

Bolsonaro acumula decisões que aprofundam a desigualdade e a miséria, enquanto favorece grandes grupos econômicos e especuladores, os mesmos que comemoram quando o preço da gasolina aumenta, elevando o valor de suas ações da Petrobras.


Unificar as lutas e construir um forte dia 9 de abril 

Não é possível esperar nenhuma medida eficaz por parte desse governo ou do Congresso Nacional. Suas poucas e limitadas medidas têm como objetivo criar condições para a disputa eleitoral. As greves em todo o país mostram que a única saída está na mobilização, em nossa capacidade de resistir e avançar. Neste momento, é preciso unificar as greves e lutas que estão ocorrendo, buscando ações comuns e também de solidariedade diante da repressão e de possíveis cortes de ponto. Isso tem ocorrido em vários locais, como no Piauí, onde servidores municipais, da educação estadual e rodoviários em greve atuaram de forma unificada.

Além disso, todas estas greves e mobilizações devem construir e se somar no dia 09 de abril, data convocada pela Campanha Nacional Fora Bolsonaro como Dia Nacional de Mobilização “BOLSONARO NUNCA MAIS! Contra o aumento dos combustíveis e do gás! Não à fome e ao desemprego!”. A realização de um forte dia de luta e paralisações é fundamental tanto para o sucesso das greves em curso como para avançar no enfrentamento com o governo. Os exemplos das recentes vaias da juventude e de artistas mostram o crescimento da reprovação ao governo e a urgência de sua saída. No dia 09, vamos às ruas, contra a inflação, por uma Petrobras para os brasileiros e para mostrar a maioria do povo que a culpa é de Bolsonaro.

 

* Texto publicado originalmente neste site 

 

sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br