Cartaz GREVE GERAL_DESTAQUE

14 de Junho é dia de lutar por um dos nossos direitos mais valiosos: a aposentadoria

0 145
image_pdfimage_print

 

 É GREVE GERAL contra a Reforma da Previdência!

 

Para quem precisa trabalhar para conseguir um salário a fim de sobreviver, ter o que comer e onde dormir, para ter como se locomover, o EMPREGO é a primeira necessidade. Hoje no Brasil, mais de 13 milhões de trabalhadores estão desempregados, mas contando os chamados desalentados (que já desistiram de procurar emprego) já alcançamos os 30 milhões.

Após o emprego, a APOSENTADORIA aparece como o segundo maior direito dos trabalhadores. E é nela que os grandes empresários, banqueiros e governos que os representam querem mexer por meio da Reforma da Previdência. A terrível Reforma Trabalhista não bastou para as grandes empresas recuperarem suas margens de lucro; é preciso mexer no bem mais valioso dos trabalhadores.

 

 

EMPRESÁRIOS E BANQUEIROS GANHAM COM A REFORMA DA PREVIDÊNCIA (PEC 6/19)

As principais confederações empresariais (da agricultura/ CNA; da Indústria/ CNI; do Comércio/ CNC; dos bancos/ CNF; de seguradoras e Previdência Complementar etc.) escreveram uma carta em apoio à Reforma da Previdência do Governo Bolsonaro nesta semana. O motivo: na proposta de Reforma da Previdência, que prevê a CAPITALIZAÇÃO, as empresas NÃO precisarão mais contribuir para a “poupança” da Previdência dos trabalhadores.

Ou seja, as empresas e bancos não querem contribuir com a aposentadoria dos trabalhadores. O dinheiro “poupado” pelos empresários e banqueiros não será revertido na geração de empregos, mas sim para compensar a queda do lucro deles por causa da crise financeira!

 

 

A DOCE ILUSÃO DA CAPITALIZAÇÃO

O modelo atual da Previdência é PÚBLICO e baseado no princípio da SOLIDARIEDADE, pois é financiado pelos trabalhadores, empresas e pelos impostos que são repassados pelo governo.

No sistema de capitalização que está previsto na Reforma da Previdência, somente o trabalhador depositará 10% do salário em conta individual, sem contribuição dos patrões e do governo, com administração de um banco, sem qualquer garantia e que ainda poderá aplicar nosso dinheiro em operações de risco no mercado financeiro.

Um estudo da OIT (Organização Internacional do Trabalho) de 2018 aponta que 60% dos países que tinham adotado a capitalização tiveram que voltar atrás, alterando novamente o sistema ou fazendo mudanças. Os principais motivos, de acordo com o levantamento: baixo valor das aposentadorias dos trabalhadores e os altos custos fiscais e administrativos do novo sistema. Veja mais neste link: https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/05/28/reforma-previdencia-capitalizacao-estudo-oit.htm?fbclid=IwAR1O28CwOKduoHU6Ag9T2xriq4jPBHW6zZR4MaIsqZvGRZuQzhdmqYhoeYE&cmpid=copiaecola

 

 

OUTROS DIREITOS QUE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA IRÁ MEXER

# Acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição, como é hoje;
# A idade mínima para os homens sobe para 65 anos e, para as mulheres, para 62 anos;
# Eleva para 20 anos o tempo mínimo exigido para se aposentar (hoje, são 15 anos);
# Aposentadoria no valor INTEGRAL do benefício, só com 40 anos de contribuição;
# Valor da pensão por morte será reduzido para 60% e não poderá acumular com a aposentadoria. Trabalhador terá que optar por algum dos dois;
# O Benefício da Prestação Continuada (BPC) será reduzido para R$ 400,00. No sistema atual da Previdência, o valor é de 1 salário mínimo (R$ 998,00)

 

 

TRABALHADOR QUE JÁ ESTÁ APOSENTADO TAMBÉM SERÁ AFETADO

A proposta de Reforma da Previdência acaba com a multa dos 40% do FGTS quando o trabalhador aposentado que está na ativa for demitido. Os já aposentados também não terão mais reajuste automático e anual do benefício pela inflação. Ou seja, o valor da aposentadoria será reajustado quando o governo quiser.

 

 

BODE NA SALA: REFORMA DA PREVIDÊNCIA ABRE AS PORTAS PARA MAIS RETIRADA DE DIREITOS

A Seguridade Social (composta pelo “tripé” formado pela Previdência Social, a Assistência Social e a Saúde Pública) faz parte da Constituição Brasileira – artigos 194/240. A Reforma da Previdência prevê retirar toda a Seguridade Social da Constituição. Se aprovada a reforma, qualquer futura alteração poderia ser feita por meio de leis complementares e ordinárias, que precisam de MENOS votos no Congresso Nacional.

 

 

REFORMA DA PREVIDÊNCIA NÃO ACABARÁ COM OS PRIVILÉGIOS

Militares e nem seus filhos estão incluídos nesta reforma. Em relação aos políticos, a proposta apenas irá alterar a aposentadoria dos futuros, mantendo dos que já são. A reforma prejudica muito mais os trabalhadores e a população mais pobre do que acaba com os privilégios.

 

 

NÃO CAIA NA MENTIRA DE QUE A PREVIDÊNCIA ESTÁ QUEBRADA!

O discurso que a Previdência tá quebrada é uma mentira. O problema é a gestão dos recursos arrecadados, a sonegação e as dívidas das empresas com a Previdência. Nos últimos 4 anos, a sonegação das empresas foi de R$ 125 milhões e, as dívidas dos empresários, R$ 450 bilhões.  Segundo a CPI do Senado e cálculos da Auditoria Cidadã da Dívida (https://auditoriacidada.org.br/), a Seguridade Social é lucrativa. Não vamos cair nesta mentira velha e surrada do déficit!

 

 

Em 14 de Junho é GREVE GERAL pela Aposentadoria e os nossos direitos!

Não à Reforma da Previdência!

 

 

Sindppd/RS

 

sindppd

Ver todos os artigos de sindppd

Similar articles

A seção de comentários no site do Sindppd/RS quer incentivar o debate entre os trabalhadores de TI e o sindicato. Também é um canal de denúncias e informações. Portanto, NÃO SERÃO publicados comentários pornográficos, ofensivos a pessoas ou entidades e nem discriminatórios (racistas, homofóbicos, de gênero ou de classe); que contenham publicidade ou palavras de baixo calão; e nem comentários que façam afirmações caluniosas ou difamatórias, sem terem provas sobre o que está sendo dito. SOMENTE serão publicados comentários com endereços de emails válidos, os quais não serão divulgados.

Faça um comentário

Seu email não será publicado. *

Visite-nos

Rua Washington Luiz, 186 - Bairro Centro - Porto Alegre - RS - CEP 90010-460

Telefones do Sindppd/RS:
Geral - (0xx51) 3213-6100
Secretaria - (0xx51) 3213-6121/ 3213-6122
Tesouraria - (0xx51) 3213-6117

E-mail: secretariageral@sindppd-rs.org.br